A INDIGNAÇÃO DE JESUS

Acompanhado pelos Seus discípulos, Jesus sobe pela primeira vez a Jerusalém para celebrar as festas da Pascoa. Ao aproximar-se do recinto que rodeia o templo, encontra-se com um espetáculo inesperado. Vendedores de bois, ovelhas e pombas oferecendo aos peregrinos os animais que necessitam para sacrificá-los em honra de Deus. Cambistas instalados nas Suas mesas traficando com a troca de moedas pagãs pela única moeda oficial aceita pelos sacerdotes.

Jesus enche-se de indignação. O narrador descreve a Sua reação de forma muito gráfica: com um chicote, expulsa do recinto sagrado os animais, vira as mesas dos cambistas deitando por terra as suas moedas e, então, grita: “Não convertais num mercado a casa do Meu Pai”.

Jesus sente-se como um estranho naquele lugar. O que veem os Seus olhos nada tem a ver com o verdadeiro culto ao Seu Pai. A religião do templo converteu-se num negócio onde os sacerdotes procuram bons ingressos, e onde os peregrinos tratam de “comprar” Deus com as Suas oferendas. Jesus recorda seguramente umas palavras do profeta Oseias que repetirá mais de uma vez ao longo da Sua vida: “Assim diz Deus: Eu quero amor e não sacrifícios”.

Aquele templo não é a casa de um Deus Pai em que todos se acolhem mutuamente como irmãos e irmãs. Jesus não pode ver ali essa “família de Deus” que quer formar com os Seus seguidores. Aquilo não é senão um mercado onde cada um procura o seu negócio.

Não pensemos que Jesus condena uma religião primitiva, pouco evoluída. A Sua crítica é mais profunda. Deus não pode ser o protetor e encobridor de uma religião tecida de interesses e egoísmos. Deus é um Pai a que só se pode dar culto trabalhando por uma comunidade humana mais solidária e fraterna.

Quase sem nos darmos de conta, todos nós podemos converter hoje em “vendedores e cambistas” que não sabem viver senão procurando o seu próprio interesse. Estamos a converter o mundo num grande mercado onde tudo se compra e se vende, e corremos o risco de viver, inclusive, a relação com o Mistério de Deus de forma mercantil.

Temos de fazer das nossas comunidades cristãs um espaço em que todos possamos nos sentir na “casa do Pai”. Uma casa acolhedora e cálida onde a ninguém se cerram as portas, onde a ninguém se exclui nem descrimina. Uma casa na qual aprendemos a escutar o sofrimento dos filhos mais desvalidos de Deus e não só o nosso próprio interesse. Uma casa onde podemos invocar a Deus como Pai porque nos sentimos os Seus filhos e procuramos viver como irmãos.

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/noticias/507294-deus-nao-pode-ser-o-protetor-e-encobridor-de-uma-religiao-tecida-de-interesses-e-egoismos#.T1pXQx9XzIw.twitter

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s